top of page
Buscar

Principais Estilos da Escola Belga


Impossível sentar para escrever esse artigo sem abrir uma Rochefort. Tocar nesse assunto sem ter uma vontade imensa de sentir esses aromas e sabores é algo muito difícil de evitar.


Uma das características de aroma dessa escola são a presença de especiarias, frutas e os maltes que sobressaem aos lúpulos. Na escola Belga, a fidelidade está mais ligada ao copo para o serviço do que no estilo propriamente dito, até porque eles são ousados demais para seguir regras de estilos e fidelidade em receitas.


Como é complexo conversar sobre estilos belgas, pois são cervejas com muita inventividade, criatividade e sem medo de ousadia, vamos começar com as clássicas cervejas de abadias e trapistas.


Qual a diferença entre elas?


As trapistas são produzidas em mosteiros por monges religiosos da ordem Trapista. O nome trapista é derivado do mosteiro de Notre-Dame de La Trappe, na Normandia. Não visa fins lucrativos e sim o auto-sustento e obras de caridade. As verdadeiras trapistas possuem o selo de autenticidade: “Authentic Trappist Product”.


Alguns rótulos oficiais obrigatórios para uma degustação feliz: Orval, Rochefort, Westmalle, Chimay, La Trappe, St Joseph’s Abbey e Mont des Cats. TODAS de altíssima qualidade.


Já as cervejas de abadia são produzidas em templos católicos independente da ordem seguida dos monges. Os estilos mais comuns são: Blonde, Dubel, Tripel, Strong Golden Ale e Dark Strong Ale e podem ter o livre comércio para fins lucrativos.


Indico seguir uma linha de degustação de alguns desses rótulos. Divida esse prazer com alguém que curta boas cervejas, porque elas são alcóolicas e não queremos ninguém bêbado sem conseguir apreciar os goles.


Degustação das Holandesas La Trappe: La Trappe Dubbel, Triplel e Quadrupel (nessa linha, o corpo da cerveja, as notas de maltes e leveduras e o teor alcóolico crescem gradativamente).

Ou você pode seguir uma linha mais para La Trappe White Trapist (refrescante, notas cítricas, frutadas e leve acidez) e depois uma La Trappe Belgian Blond Ale (leve frutado, condimentado e suave amargor) e finalizar com a La Trappe Isid’or (adocicada, notas de caramelo bem presentes, suave amargor e frutado).

Ou as Holandesas Rochefort (Bélgica) começando pela 6, depois a 8 e finalizando na 10, (essas numerações se referem às densidades do mosto) então você vai sentir a diferença de corpo entre elas e claro, de novo e cuidado, teor alcóolico de aumento gradativo.


Não brinque com as belgas rs. Beba com apreço e moderação. Sirva sempre em cálice Trapista por questão de respeito.


Perceba que ao contrário das outras cervejarias do mundo, as belgas não batizam suas cervejas, geralmente – não via de regra – os nomes de seus rótulos levam apenas o nome da cervejaria + estilo e uma bela garrafa e rótulo de muito bom gosto.


Gloriosas cervejas belgas nas alturas, saúde!


Até a próxima semana :)


Karina Hauch.



Fontes

Price beer

A mesa do mestre cervejeiro – Senac 2017

Guia de estilos Brewers Assossiation

467 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page